Embarque nessa jornada: Comunicação para as mídias digitais

Comunicar é estar atento ao comportamento de sua comunidade e nunca abrir mão de sua essência. Nosso texto de hoje se originou do talk que fizemos dia 11/04 sobre "Mídias Digitais e Comunicação", onde a Marília Marcela, nossa colaboradora, demonstrou uma jornada básica de como empreendedores devem arquitetar e planejar sua estratégia de comunicação.


Os 4 passos da sua Jornada:


1 - Branding

Visualize a sua marca como um quebra-cabeças. Cada pedaço tem importância, significado e deve fazer sentido. Construir muito bem cada uma das partes é a sua primeira missão!


Identidade Visual: Cores, Naming, Logotipo e +


Cores: Pesquise por "Psicologia das Cores", pois cada cor tem um significado e deve ser bem escolhida quando queremos passar uma mensagem. Imagine se o McDonalds fosse verde...com certeza remeteria a lanches com propostas mais saudáveis (como é o caso da Subway).


Naming e Logotipo: Um nome com significados coerentes ao seu negócio faz toda a diferença. Na hora de escolher qual fonte usar para escrever a logo, atente-se às características do seu negócio. Segmentos mais flexíveis e descontraídos permitem fontes onduladas e grossas (Nestlé, Besni, Subway). Enquanto nichos mais sérios e geralmente de luxo, contam com fontes retas (Itaú, Chanel, Gucci)


Design: Se não tiver uma noção de Photoshop ou não puder pagar um profissional para montar o seu layout, acesse o Canva. Lá você encontra templates prontos e personalizáveis, então é possível inserir a sua tipografia, cores e imagens.


Os 5 sentidos: Audição, Olfato, Paladar, Visão e Tato. Papo de Neuromarketing, né? Analise as marcas que você consome, pois algumas delas se comunicam usando mais de um sentido. Ex: Melissa (Olfato, Tato e Visão), NuBank (Visão, Tato).


Atributos:


Personalidade: Sua marca tem uma personalidade, acredite! Quais são os Valores, Propósito e Missão que a permeiam? Se a sua marca fosse uma pessoa, como ela seria e se comportaria? Como ela se relacionaria com o cliente? Como um amigo, um pai, um familiar?


Para pensar: Uma empresa é como uma pessoa. Pensar no Itaú não trás a mesma sensação que pensar no Banco Inter. É tudo banco, mas se comportam de formas diferentes. Assim como Mc e o Bk, ambas vendem lanches, contudo o BK é bem mais jovial, personalizado, acessível e aventureiro que o McDonalds. Se fosse uma pessoa, com certeza seria um jovem-adulto que topa tudo, sai em grupos (a empresa oferece muitos cupons para combos grandes) e é destemido (#NãoÉJaba) rs.


Voz: Qual é a voz da sua marca? Vamos relembrar da Netflix que já se posicionou como mulher, divertida, alegre e muito otimista.


Tom de voz: Adaptação da voz nos canais de comunicação.


A Netflix é otimista no Twitter quando responde seus público com indicações de série ou faz memes falando que se tudo der errado, pelo menos tem uma série para assistir, né? rs. Já no Facebook, responde comentários de forma muito divertida, rendendo vários prints e compartilhamentos na comunidade.


Pontos de Contato: É cada lugar que o cliente pode acessar a sua marca. Redes Sociais, LinkedIn, Produto, Serviço, Loja Física etc. Identifique onde você está inserido, adapte seu tom de voz para cada um deles e "dance conforme a música".


Dica: Não mude sua personalidade nos canais. Se sua marca é divertida e tem abertura para fazer memes, escolha o melhor lugar para inseri-los. A ideia é dosar os atributos em cada ponto de contato.


2 - Persona


Quando falamos em público alvo, nos referimos a dados muito demarcados e precisos, por exemplo: Mulheres de 24 a 30 anos, moradoras de São Paulo, formadas em Comunicação Social e que estão abrindo o seu primeiro negócio.

A Persona é um personagem semi ficcional, que trará dados reais somados dos sociais, sentimentais e de personalidade. Exemplo: Maria tem 27 anos, mora em São Paulo, se formou há um ano em Comunicação Social e abriu o seu primeiro negócio há menos de dois meses. Ela ama viajar, estudar e investe pesado em cursos de capacitação on e offline.

Percebeu a diferença? Vender produtos e serviços para "Maria" de forma personalizada fica muito mais fácil, pois sua comunicação pode gerar uma conexão única com essa cliente. Oferecer cursos, mentorias, pacotes de viagem, experiências no @airbnb, assessoria para pequenos negócios e por aí vai é só o começo.

Com uma Persona bem definida é possível incorporar a sua marca no cotidiano do consumidor. Vai dizer que você nunca indicou, DE GRAÇA, um serviço ou produto para outra pessoa? rs


3 - Imaginário do Consumidor

Lugar de valor: É o espaço que toda marca deseja habitar na mente dos consumidores, mas isso não pode ser empurrado goela abaixo rs. Não é pra ficar a todo momento reforçando que sua empresa é boa e seu serviço é de qualidade, pois esses atributos não colam mais. Hoje o mínimo que se esperam de serviços e produtos é que eles entreguem essas promessas.


Dica: Você pode provar para o seu público que é uma marca parceira mandando mensagens legais para os seus clientes, dando dicas relevantes, mostrando como você vem colaborando para o bem estar da sociedade etc.


4 - Conteúdo: O quê, quando e onde:


Atenção: Não copie o conteúdo de uma marca do mesmo nicho que o seu. Troque essa prática ultrapassada por uma interação saudável entre vocês. Não tem problema admirar outras empresas e querer ser tão relevante quanto elas, mas copiar pode aniquilar sua chance de ser único. Só você sabe fazer as coisas do seu jeito e só você sabe por onde passou. Traga isso para a sua marca, é empatia na certa!


Possíveis conteúdos:


Provas sociais: É quando mostramos para os clientes que nossos serviços ou produtos entregam e mudam a vida de quem os consome. Isso pode ser via depoimentos, dados, compartilhamento de vitórias da empresa. A gente sabe que você arrasa, então não tenha medo de mostrar isso ao mundo.


Tendências e Urgências: Há qualquer momento uma "bomba" estoura no mundo e devemos ter espaço na nossa agenda para compartilhá-las. Não é pra fazer o jornalista, viu? rs. Quando a COVID-19 bombou nos noticiários e muitas empresas começaram a oferecer conteúdos, e-books e serviços gratuitamente, a Dume se posicionou de forma sensível no Instagram num post que diz "Respire fundo e desligue-se". Foi um de nossos posts mais curtidos e compartilhados, não somente por se tratar de uma mensagem apoiadora num momento tão difícil, mas porque entendeu que o excesso de informação e a vida pós-moderna é repleta de ansiedades e urgências. Esse é o tipo de post que pode ser compartilhado em qualquer contexto.



Universo de Assuntos: Numa folha de papel escreva o nome de sua empresa no centro, em seguida abra um arco para valores, atributos e assim sucessivamente para produtos, serviços e tudo o que permeia sua marca.


Ao fim você vai perceber que tem MUITO do que falar, pois tudo que diz respeito ao Branding interessa para a comunidade. Lembre-se que é a construção de um diálogo genuíno que vai te trazer conexões.


Quando?

Brechas de Rotina: São os momentos onde as pessoas estão mais propensas a comprar e acessar conteúdos com calma. Analise o comportamento de quem consumiu o seu produto ou serviço nos últimos vinte dias. Quando surgem mais comentários nos seus posts? Qual dia da semana você vendeu mais?


Onde?

Canais/Redes.


Dica: Com esses pontos você consegue criar a sua própria planilha de conteúdos e personalizar os assuntos de acordo com a reação e interação da comunidade.


Gestão:

Organização e Pesquisa são tarefas constantes desta jornada. Não tenha medo de errar. Converse com as pessoas, faça stories, seja vulnerável.


Dica: Livro "A coragem de ser imperfeito" de Brené Brown.



Du, Me Ajuda:

Ficou com alguma dúvida?


A DUME te ajuda a desenvolver esses quatro passos dentro de mentorias e cursos específicos para o seu negócio.


Entre em contato conosco:

@dumeoficial

dume@dumeoficial.com.br



Texto e conteúdo por: @mdemarcela

Revisão: @danigabrieloficial

Editoração:@oriafeto



0 visualização